Archive for the ‘Política’ Category

Sempre atual…

29/07/2016

Esse texto já tem um ano que escrevi, mas nosso Brasil torna toda crítica sempre atual! Segue:

Cada vez mais eu me convenço que a esquerda é o único e melhor caminho para o Brasil!!! Bem como para todos os países com grande maioria pobre em sua população.

Quero projetos políticos que tenham foco no social, no desenvolvimento, na melhoria das condições de vida dos mais pobres e miseráveis cidadãos.
Quero combate à fome, saneamento básico e fornecimento de água potável para regiões remotas.
Quero irrigação para assentamentos de verdadeiros trabalhadores rurais sem terra.
Quero médicos de consultórios de rua, de família, de bairro, vindos ou não de outros países.
Quero atendimento e orientação que reduzam naturalmente (ou sob controle) a taxa de natalidade. Quero, e o Brasil precisa, retirar toda uma massa desse processo círculoviciante.

Quero isso. Torço pra isso. Acredito que podemos, e penso que o Brasil quer. As pessoas de bem dessa sociedade devem querer. Sei que o país precisa fazer tudo isso. E talvez, por hora, só isso.

Mas e aí, cara pálida? Como fazê-lo? Eu pergunto e eu mesmo respondo:
É imperioso… precisamos inventar, ou reinventar, a esquerda nacional.

Desde que o PT se enDireitou, esse processo, que nem bem tinha se estabelecido (mas havia iniciado sim senhor, queira você admitir ou não!), acabou se estancando.

Essa minha vontade e convicta leitura da necessidade nacional é diametralmente contrária ao pensamento direitista. Por óbvio!

Afinal ele é retrógrado e, no mais das vezes, economicamente elitista. Portanto, completamente fora da proporção das necessidades dessa União.

O tradicional umbigocentrismo da direita, não me admira. Visto que eles são, em sua imensa maioria, e na essência etmológica da palavra: Grandessíssimos idiotas.

Sim, IDIOTAS, IDIOTAS e IDIOTAS. Mil vezes IDIOTAS!

E se você, que me lê agora, é um direitista, não se furte… você é igualmente idiota!!!

Porém não se ofenda, amigo. Você pode ser idiota, é um direito seu. Mas nem por isso precisa se ofender, atestando sua ignorância.

Acontece, caro leitor, que o termo Idiota quer dizer “aquele que pensa em si, em detrimento dos outros”.

Lamentável o fato, mas todos que chegaram ao poder no Brasil (até agora) preferiram pensar e agir dessa forma.

E não é que deu tudo errado pra eles?!!!

Agora estão nas cadeias, políticos, empreiteiros, homens ricos. Tanto se protegeram, se beneficiaram, que numa metáfora futebolística diria terem atacado tanto, que esqueceram de ser defender.

O povo passa dificuldades financeiras, como sempre. Gente que trabalha, dá duro o dia inteiro. Para a população pobre, para a sofrida classe média, a coisa tá feia.

Mas ferrado mesmo está quem é presidente de empreiteira, dirigente de petrolífera, tesoureiro de partido, doleiro, articulador político, presidente do Senado, da Câmara, empresários do ramo energético!

Tudo culpa da esquerda, tudo culpa do PT e demais “comunistas”. Leia-se, todos que pensam diferente dos Aécios, Cunhas, Collors, Bolsonaros, Caiados, Calheiros e outros “moderados” como eles.

Os direitistas de plantão devem estar querendo a volta da verdadeira direita, pra que isso volte a nunca mais acontecer. Cadeia pra eles, de novo, nunca mais!

O Brasil continua não sendo mais como era antigamente!!!

O umbigo e folia…

17/02/2009

Não tenho tido tempo para escrever. Tempo, ah o tempo… Saudade do tempo de ter tempo. Mas a minha falta dele é um problema só meu, não é mesmo? Tanto que as cobranças e reclamações por “estar deixando”(by Call Centers) as teias de aranha tomarem conta aqui do barraco, não se aplacam por isso. Então voltei.

Como estou sem muita inspiração para fazer piadas ou produzir textos criticosos à política/economia mundial, nacional, ou mesmo aqui dos confins tupiniquins, onde se mostra a face da corrupção… já que, tampouco, estou interessado em dividir minhas raivosas referências à Free-way congestionada e ao 3-6-1 do Roth… ao patético Bial e seu – mais patético ainda – programa de fofoca e vazia observação da desinteressante vida, de gente mais desinteressante ainda… como não pretendo espumar branco ao refletir sobre o relacionamento da menina monstro Malu Magalhães com o Dromedário, e a respeito do inexplicável sucesso dos pastores travestidos de cantores(ou vice-versa) Vítor e Léo… preferi, num rompante de umbigocentrismo exacerbado, falar de mim! O que, convenhamos, é um tema muito mais relevante e importante! Ao menos para esse que vos escreve.

Talvez o “como anda minha vida” que farei daqui por diante interesse muito menos a vocês do que as bundas desfilantes, os peitos emborrachados e os baixos QI’s imperantes na piscina e nas festas da casa mais vigiada no Brasil da poderosa número 1 do Ibope. Porém, por pura incapacidade “cultural”, já que não tenho conhecimento para opinar sobre o que realmente importa no BBBrasil, vou contar o que tem acontecido comigo. E ah, a minha vida, apesar de tão desinteressante quanto a dos “nossos heróis”(???), vocês podem espiar à vontade! E sem pay-per-view.

Estive, como todos bem sabem, estudando Jornalismo nos últimos 4 anos. Formei-me no dia 9 de janeiro (role mais abaixo a página, dê-se ao trabalho de ler o próximo post e conhecerás o meu discurso de formatura). Também já é conhecido da maioria (que ainda assim é uma minoria, já que isso aqui é muito pouco lido mesmo) que trabalho numa área nada a ver com o Jornalismo. Portanto, há anos me consterna o fato de saber, profissionalmente falando, pra onde vai minha vida… Pois bem, sigo sem saber!

O certo é que concluí uma etapa que nasceu como um desejo, uma descoberta de vontade e consolidou-se como a certeza de uma vocação. Depois, mais do que isso, virou uma obsessão pelo saber, um sonho pelo fazer e uma promessa a ser cumprida. A mim mesmo e ao meu pai, a quem prometi que um dia concluiria a faculdade. Essa parte está completa e está contada.

No mais, a vida é feita de muitos outros fatores, mas já está muito grande esse post e a modernidade diz que textos grandes não são lidos. É gente, os escritos agora não são mais avaliados ou apreciados pela qualidade (e não que esse tenha alguma), atualmente eles são lidos, ou não, pelo seu tamanho. Pasmem!

Abre parêntese. Descobri, ontem, que tem uma espécie de blog – o Twitter – que está fazendo um sucesso febril na grande rede mundial de computadores. Porque os post só podem ter, no máximo, 140 caracteres. Fecha parêntese.

Enfim, considerando tudo isso, vou comentar sobre uma das tantas outras partes importantes da vida da gente, a dos sentimentos. E sim, falo pouco deles aqui. Na verdade acho que nunca falei. Certa feita tive um outro blog e falava demais neles, achei que ficou meio piegas e parei com aquilo. Só que agora, sei lá, estou tão bem que resolvi contar. Acho que minhas irmãs vão gostar de saber/ler isso.

Conheci alguém, ou melhor, já a conheço há quase 4 anos, mas passei a conhecê-la melhor ultimamente. Trata-se de uma pessoa de quem eu já gostava, admirava, respeitava desde então. Mas é inegável que termos ficado juntos, e de uma maneira muito inesperada, não premeditada e nunca antes cogitada, tanto me surpreendeu quanto me encantou. Melhor mesmo, só o fato de que as coisas tiveram uma seqüência absolutamente natural e – até então – impensável. Curioso que hoje se tornou, pra mim, de impensável em indispensável.

Pronto, falei, azar. Piegas, me chamem, se quiserem. Mas um piegas feliz e contente com o que está acontecendo, com o jeito e o tempo com que está acontecendo, com o respeito e a parceria (êêê palavra importante essa!) que as coisas tem evoluído e com o quanto isso tudo está me encantando. Algo que, confesso, uns tempos atrás cheguei a pensar que nunca mais aconteceria.

Bem galera, agora é chegada a hora de ser menos intro e mais extrospectivo (se essa palavra existisse, é claro… mas vocês entenderam, né?) Estou falando isso porque afinal, é chegada a tão esperada hora da folia do Momo. Mais um ano se foi, mas um ano vem, mais uma vez temos o direito de extravasar a alegria contida e incontida, de expulsar a tristeza, de esquecer os problemas, de doar cinco dias e viver mágicas e lúdicas 120 horas de prazer.

É um tempo sem relógio, sem sapatos, sem contas, sem realidades, com fantasias, com música, com brincadeiras, com emoção, com suor e ritmo, com tolerância, com cheiro de festa, de folia, com amigos antigos, em busca de novos, com chiclete, com banana, com galera, com cheiro de amor, querendo que essa fantasia fosse eterna, reforçando o desejo de querer ver um dia a paz vencer a guerra e de só fazer se você fizer, com amor, com amor…

Questão de ordem, Sr. Deputado!

29/05/2008

 
     Eu sou um dito homem honesto. Um cara correto, que paga seus impostos e, via de regra, anda dentro das leis. Infelizmente, por isso, não posso mais me atirar nos poços de elevadores Rio Grande do Sul afora. Na verdade não posso mais fazê-lo, desde 14/09/1999. Cerceado, eu, pela lei estadual de número 11.369, que proíbe o cidadão de cair nessas soturnas e verticais cavernas da era dos arranha-céus.

     Vocês nunca repararam naquela plaquinha:

“Antes de entrar no elevador certifique-se de que o mesmo se encontra parado neste andar. Lei estadual 11.369 de 14/09/99.”

     Onde já se viu um troço desses? O cidadão não pode mais nem se esborrachar à vontade. Eu sempre adorei cair em poços de elevador. Nunca me preocupei em ver se ele estava ou não no andar. Eu via a portinha se abrindo e me jogava num mergulho profundo. Tal qual, imagino eu, mergulhem os Srs. deputados que votaram essa lei. Só que eles, nas refrescantes piscinas de suas exibicionistas casas de Atlântida.
     Creio que todos vocês também costumem cair vãos abaixo. Coisa mais boa que era. Agora estamos proibidos, nós, os gaúchos. Será que nos outros estados ainda se pode cair livremente rumo às molas? Onde vamos parar desse jeito? Agora só falta quererem proibir as pessoas de atravessar avenidas movimentadas sem olhar para os lados. Ahhhh, não. Aí não!
     Enquanto nossos parlamentares preocupam-se, propõem, votam e aprovam leis como estas, coisas menos relevantes seguem acontecendo impunemente. Imperam e articulam livremente pelos porões financeiros do Estado os Macalões, os Culaus, e outros elegantes homens carecas, feios, velhos e pretensamente falidos. Virtudes, aliás, que muito justificadamente conquistam misses.

 

Ventilador nada… TURBINA!

19/05/2008

Nesse momento o ex-secretário de Segurança Pública do estado do Rio Grande do Sul, Enio Bacci, presta depoimento na CPI do Detran.

Lembro do tempo em que se dizia: Fulano jogou a merda no ventilador!

Pois o que Bacci está fazendo humilha até o mais forte dos “turbo master” da Arno e a mais fétida das fezes imagináveis.

Eu diria que o dispositivo utilizado pelo mandatário deposto, e atual deputado federal, foi uma turbina atômica… e serviu para jogar bosta, de estado pastoso e fedorento, num raio que abrange da Praça da Matriz até o alto do bairro Vila Jardim, onde se localiza a humilde residência de R$ 700.000,00 (quantos zeros, não?) da Governadora Yeda Crusius.

Ahhh… R$ 400.000,00 dos quais teriam sido pagos por Lair Ferst, um dos coordenadores da campanha de Yeda ao governo do Estado e empresário beneficiado em contratos superfaturados fechados sem licitação entre o Governo do estado e o Detran-RS.